Aleteia
La fête du jour

Sexta-feira, 13 de outubro
Bem-aventurada Alexandrina Maria da Costa

Cooperadora salesiana (†1955)

Alexandrina Maria da Costa, nasceu em Balasar, uma pequena localidade pertencente à região portuguesa do Oporto. Era o dia 30 de março de 1904, quando nasceu; logo em seguida, no dia 2 de abril - que naquele ano coincidiu com o sábado santo - ela foi batizada. Sua vida, junto com a irmã mais velha, Deolinda, transcorreu sem grandes problemas no ambiente rural de Balasar. Ao completar sete anos, Alexandrina foi enviada ao povoado de Póvoa do Varzim, para cursar a escola fundamental, já que esta não existia em Balasar. Nessa localidade fará sua primeira comunhão e, em seguida, receberá o sacramento da confirmação. Após esse período de estudos Alexandrina volta para Balasar para viver com a irmã e a mãe. Era ainda uma menina, mas trabalhava duro na lavoura para ajudar a compor o minguado orçamento doméstico. Aos quatorze anos, Alexandrina iria viver um trágico fato que marcaria toda a sua vida. No sábado santo, do ano de 1918, enquanto ela, a irmã Deolinda e outra menina aprendiz se dedicavam aos trabalhos de costura, perceberam que três homens tentavam entrar no quarto onde estavam. Apesar das portas estarem fechadas, os homens conseguiram arrombá-las; suas intenções eram terríveis: queriam violentar as meninas. Deolinda e a outra menina conseguem escapar, enquanto Alexandrina, para salvar sua pureza, não hesita em se jogar do alto de uma janela: pulou de uma altura de quatro metros e, infelizmente, caiu de mau jeito ferindo sua coluna e provocando sucessivamente dores terríveis. Os agressores, diante da reação das meninas, fugiram sem conseguir levar à cabo suas intenções maldosas. Alexandrina foi socorrida, mas os médicos pouco puderam ajudar: sofreu dores terríveis por anos, até que, no ano de 1925, com o agravar da lesão em sua coluna, lhe sobreveio uma paralisia irreversível, e que haveria de mantê-la na cama pelos próximos trinta anos. Desde então, Alexandrina invocava o Senhor e a intercessão da Virgem Maria para que pudesse se curar. Fazia promessas, dizia à Virgem que se alcançasse a cura, iria se dedicar às missões, trabalhando como missionária. Pedia insistentemente e com muito fervor. Até que um dia compreendeu que sua vocação era outra: aceitar o sofrimento! Alexandrina chegou a dizer: “Nossa Senhora deu-me uma graça ainda maior: primeiro a resignação, depois a conformação completa à vontade de Deus, e finalmente o desejo de sofrer”. Era o ano de 1928. A partir desse tempo ela começa a experimentar fenômenos místicos, buscando uma grande união com o Cristo eucarístico. Os biógrafos, narram que de 1938 até o ano de 1942, outros fenômenos místicos de grande intensidade começaram a ocorrer todas as sextas feiras: saindo de seu estado habitual de paralisia, Alexandrina saia de sua cama e com movimentos e gestos acompanhados de fortes dores, ela reproduzia em seu corpo a Via Crucis de Jesus, durante um período de três horas e meia. De 1942 até sua morte, ocorrida em 1955, ela não mais se alimentou senão da eucaristia. Esse fenômeno, inexplicável até os dias de hoje, chegou a ser comprovado por uma junta de médicos que, na intenção de desmascará-la, realmente comprovou que, a não ser pela hóstia consagrada, Alexandrina nada bebia e nada comia. No início de 1955 ela recebe o prenúncio que esse será o ano de sua morte. No dia 12 de outubro quis receber a unção dos enfermos e no dia 13 de outubro, aniversário da última aparição de Nossa Senhora de Fátima, ouviu-se de seus lábios: “Sou feliz, porque vou para o céu!”. Às 19:30 desse mesmo dia, faleceu. Em seu túmulo, pode-se ler a inscrição que ela desejou que ali fosse colocada:

“Pecadores, se as cinzas do meu corpo puderem ser úteis para a vossa salvação, aproximai-vos: passai todos por cima delas, pisai-as até desaparecerem, mas não pequeis mais! Não ofendais mais o nosso Jesus! Pecadores, queria dizer-vos tantas coisas. Não bastaria este grande cemitério para escrevê-las todas! Convertei-vos! Não queirais perder a Jesus por toda a eternidade! Ele é tão bom!... Amai-o! Amai-o! Basta de pecar!”

São João Paulo II a beatificou no dia 25 de abril de 2004.

Vous voulez découvrir d’autres histoires de saints ? Cliquez ici

Oração da manhã

Demos graças ao Senhor, porque eterno é seu amor!.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Sois do céu a glória eterna,
esperança dos mortais,
sois da casta Virgem prole,
Unigênito do Pai.

Dai àqueles que despertam
seja a mente vigilante.
Em louvor e ação de graças,
nossa voz seja vibrante.

Nasce o astro luminoso,
nova luz ele anuncia.
Foge a noite, foi a treva,
vossa luz nos alumia.

Nossa mente torne clara,
faça a noite cintilar,
purifique nosso íntimo
até a vida terminar.

Cresça a nossa fé primeira
dentro em nosso interior;
a esperança acompanhe,
e maior seja o amor.

A vós, Cristo, rei piedoso,
e a vós, Pai, glória também
com o Espírito Paráclito
pelos séculos. Amém.
Cântico Jr 14,17-21

O Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho! (Mc 1,15).

Os meus olhos, noite e dia,
chorem lágrimas sem fim;
pois sofreu um golpe horrível,
foi ferida gravemente a virgem filha do meu povo!

Se eu saio para os campos,
eis os mortos à espada;
se eu entro na cidade,
eis as vítimas da fome!

Até o profeta e o sacerdote
perambulam pela terra sem saber o que se passa.
Rejeitastes, por acaso,
a Judá inteiramente?

Por acaso a vossa alma
desgostou-se de Sião?
Por que feristes vosso povo
de um mal que não tem cura?

Esperávamos a paz,
e não chegou nada de bom;
e o tempo de reerguer-nos,
mas só vemos o terror!

Conhecemos nossas culpas
e as de nossos ancestrais, pois pecamos contra vós!
Por amor de vosso nome,
ó Senhor, não nos deixeis!

Não deixeis que se profane
vosso trono glorioso!
Recordai-vos, ó Senhor!
Não rompais vossa Aliança!

Glória ao Pai...

Leitura breve .................. ...............2Cor 12,9b-10
De bom grado, eu me gloriarei das minhas fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim. Eis por que eu me comprazo nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor a Cristo. Pois, quando eu me sinto fraco, é então que sou forte.

Fazei-me cedo sentir, ó Senhor, vosso amor!
Indicai-me o caminho, que eu devo seguir.

BENEDICTUS
O Senhor visitou o seu povo e o libertou.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Levantemos o nosso olhar para Cristo que nasceu, morreu e ressuscitou pelo seu povo; e peçamos com fé:
R. Salvai, Senhor, os que remistes com o vosso sangue!

Nós vos bendizemos, Jesus, Salvador da humanidade, que não hesitastes em sofrer por nós a paixão e a cruz,
– e nos remistes com o vosso sangue precioso. R.

Vós, que prometestes dar aos vossos fiéis a água que jorra para a vida eterna,
– derramai o vosso Espírito sobre todos os homens e mulheres. R.

Vós, que enviastes vossos discípulos para pregar o evangelho a todas as nações,
– ajudai-nos a proclamar pela terra inteira a vitória da vossa cruz. R.

Aos doentes e infelizes que associastes aos sofrimentos da vossa paixão,
– concedei-lhes força e paciência. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Pai todo-poderoso, derramai vossa graça em nossos corações para que, caminhando à luz dos vossos preceitos, sigamos sempre a vós, como Pastor e Guia. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditação

Se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus...

Deus Pai onipotente e misericordioso enviou o seu amado Filho ao mundo, para libertar o homem do poder das trevas e o transferir para o seu reino. Por isso, Cristo, “o primogénito de toda a criatura” (Col 1, 15), para renovar o homem velho, revestiu-se da carne pecadora, “para destruir pela morte aquele que detinha o poder da morte, isto é, o diabo” (Hb 2, 14) e pela sua morte e ressurreição transformar a natureza humana numa nova criatura, com o dom do Espírito Santo. Nos dias da sua vida mortal, o Senhor Jesus, vencedor da tentação no deserto, expulsou pela sua própria autoridade Satanás e outros demônios, impondo-lhes a sua divina vontade. Fazendo o bem e sarando todos os que eram oprimidos pelo diabo, manifestou a obra da sua salvação, para libertar os homens do pecado e dos seus sequazes, bem como do seu primeiro autor, homicida desde o princípio e pai da mentira. No exercício do seu ministério, Cristo deu aos Apóstolos e aos seus discípulos o poder de expulsar os espíritos impuros. Prometeu-lhes o Espírito Santo Paráclito, procedente do Pai pelo Filho, o qual havia de arguir o mundo do juízo, porque o príncipe deste mundo já foi julgado. E, entre os sinais que haviam de seguir os que acreditassem, enumera-se no Evangelho a expulsão dos demónios. Por isso a Igreja, já desde o tempo apostólico, exerceu o poder recebido de Cristo, de expulsar demônios e repelir a sua influência. E assim ela ora continuamente com toda a confiança “em nome de Jesus” para que seja livre do Mal. Também no mesmo nome, pela força do Espírito Santo, de vários modos ordenou aos demônios que não impedissem a obra da evangelização e restituíssem ao “mais Forte” o domínio de todas as coisas e de cada homem.

Ritual dos Exorcismos e outras súplicas (1999)
Cf. Introdução, nn. 3-4.6-7

Oração da tarde

O Senhor é Justo e cheio de bondade,
o nosso Deus é misericordioso!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Deus, escultor do homem,
que a tudo, só, criastes,
e que do pó da terra
os animais formastes.

Sob o comando do homem
a todos colocastes,
para que a vós servissem
servindo a quem criastes.

Afastai, pois, os homens,
de uma fatal cilada;
que o Criador não perca
a criatura amada.

Dai-nos no céu o prêmio,
dando na terra a graça,
e assim chegar possamos
à paz que nunca passa.

A vós, Deus uno e trino,
em nosso amor cantamos;
nas criaturas todas
somente a vós buscamos.
Salmo 134(135)

Povo que ele conquistou, proclamai as obras admiráveis daquele que vos chamou das trevas para a sua luz maravilhosa (cf. 1Pd 2,9).

Ó Senhor, vosso nome é eterno;
para sempre é a vossa lembrança!
O Senhor faz justiça a seu povo
e é bondoso com aqueles que o servem.

São os deuses pagãos ouro e prata,
todos eles são obras humanas.
Têm boca e não podem falar,
têm olhos e não podem ver;

tendo ouvidos, não podem ouvir,
nem existe respiro em sua boca.
Como eles serão seus autores,
que os fabricam e neles confiam!

Israel, bendizei o Senhor; sacerdotes, louvai o Senhor;
levitas, cantai ao Senhor; fiéis, bendizei o Senhor!
Bendito o Senhor de Sião,
que habita em Jerusalém!

Glória ao Pai...

Leitura .....Tg 1,2-4
Meus irmãos, quando deveis passar por diversas provações, considerai isso motivo de grande alegria, por saberdes que a comprovação da fé produz em vós a perseverança. Mas é preciso que a perseverança gere uma obra de perfeição, para que vos torneis perfeitos e íntegros, sem falta ou deficiência alguma.

Jesus Cristo nos amou e em seu sangue nos lavou.
Fez-nos reis e sacerdotes para Deus, o nosso Pai.

MAGNIFICAT
O Senhor nos acolheu a nós,
seus servidores, fiel ao seu amor.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Invoquemos o Senhor Jesus, a quem o Pai entregou à morte pelos nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação; e digamos humildemente:

R. Senhor, tende piedade do vosso povo!

Ouvi, Senhor, as nossas súplicas e perdoai os pecados dos que se reconhecem culpados perante vós,
- e, em vossa bondade, dai-nos a reconciliação e a paz. R.

Vós, que dissestes por meio do apóstolo Paulo: 'Onde o pecado foi grande, muito maior foi a graça',
- perdoai generosamente os nossos numerosos pecados. R.

Senhor, tende piedade do vosso povo! Muito pecamos, Senhor, mas confiamos na vossa infinita misericórdia;
- convertei-nos inteiramente ao vosso amor. R.

Salvai, Senhor, o vosso povo de seus pecados,
- e sede bondoso para conosco. R.

(Intenções livres)

Vós, que abristes as portas do paraíso para o ladrão arrependido que vos reconheceu como Salvador,
- não as fecheis para os nossos irmãos e irmãs que morreram. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo S. Lucas 11,15-26.
Naquele tempo, Jesus expulsou um demónio, mas alguns dos presentes disseram: «É por Belzebu, príncipe dos demónios, que Ele expulsa os demónios».
Outros, para O experimentarem, pediam-Lhe um sinal do céu.
Mas Jesus, que conhecia os seus pensamentos, disse: «Todo o reino dividido contra si mesmo, acaba em ruínas e cairá casa sobre casa.
Se Satanás está dividido contra si mesmo, como subsistirá o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que Eu expulso os demónios.
Ora, se Eu expulso os demónios por Belzebu, por quem os expulsam os vossos discípulos? Por isso eles mesmos serão os vossos juízes.
Mas se Eu expulso os demónios pelo dedo de Deus, então quer dizer que o reino de Deus chegou até vós.
Quando um homem forte e bem armado guarda o seu palácio, os seus bens estão em segurança.
Mas se aparece um mais forte do que ele e o vence, tira-lhe as armas em que confiava e distribui os seus despojos.
Quem não está comigo está contra Mim e quem não junta comigo dispersa.
Quando o espírito impuro sai do homem, anda a vaguear por lugares desertos à procura de repouso. Como não o encontra, diz consigo: ‘Voltarei para a casa de onde saí’.
quando lá chega, encontra-a varrida e arrumada.
Então vai e toma consigo sete espíritos piores do que ele, que entram e se instalam nela. E o último estado daquele homem torna-se pior do que o primeiro».

Newsletter
Recevez Aleteia chaque jour. Abonnez-vous gratuitement