Aleteia
La fête du jour

Sábado, 14 de outubro
São Calisto I

Papa e mártir (†222)

O décimo sexto papa da Igreja católica iniciou seu pontificado no ano 218 e, quatro anos mais tarde, o encerraria seguindo os mesmos passos de São Pedro, o primeiro papa: derramou seu sangue na cidade de Roma. As primeiras notícias sobre a vida de São Calisto nos dão conta que ele era originariamente um escravo. Seu senhor, um cristão que fora também escravo, teria confiado a Calisto uma grande quantidade de dinheiro para que ele pudesse abrir um banco. Ao que parece, viúvas e cristãos começaram a depositar com grande confiança as suas economias nas mãos de Calisto, mas, segundo os relatos antigos, ele teria tido um revés e perdido todo o dinheiro. Após várias peripécias, Calisto – talvez para escapar de seu senhor – provocou deliberadamente uma desordem numa sinagoga. Chamadas as autoridades, ele foi preso e condenado “ad metalla”, isto é, a trabalhar na extração de minério das minas na Sardenha.

Por outro lado, mais ou menos na mesma época, Márcia, a concubina do imperador Cômodus – que era provavelmente cristã – pediu ao Bispo de Roma, o papa Vítor um elenco contendo o nome dos cristãos que haviam sido condenados aos trabalhos forçados nas minas da Sardenha; sua intenção era de prover à libertação desses apenados. Papa Vítor, no entanto, não inclui o nome de Calisto nessa lista de libertação, que é levada até a Sardenha por um presbítero chamado Jacinto. Chegando na Sardenha, Jacinto encontra Calisto, que imediatamente lhe suplica de incluir seu nome nessa lista. Por piedade, Jacinto atende a seu pedido. Retornando à Roma, Calisto é perdoado e retorna à comunidade cristã. Aos poucos, reconquista a confiança e, com a eleição do novo papa Zefirino, ele é nomeado administrador dos bens eclesiásticos e responsável pelo cemitério na via Ápia, que era o cemitério “oficial” da comunidade cristã – mais tarde esse cemitério receberá seu nome, como homenagem póstuma; até hoje, as catacumbas de São Calisto são meta de peregrinações. Com a morte de Zefirino, Calisto é eleito papa. Seu pontificado ocorre num momento difícil de lutas internas na Igreja. No entanto, sua experiência desastrada e o perdão que havia experimentado, talvez o tenham tornado particularmente sensível às questões mais difíceis: o fato, é que seu ministério se caracterizou pelo uso da misericórdia.

O martirológio romano recorda São Calisto papa da seguinte maneira: “São Calisto I, papa, mártir: como diácono, depois de um longo exílio na Sardenha, cuidou do cemitério na via Ápia, conhecido com o seu nome, onde recolheu as relíquias dos mártires para futura veneração das futuras gerações; eleito papa promoveu a reta doutrina e reconciliou com benevolência os “lapsi” (em latim, “caídos”, referência aos cristãos que haviam apostatado durante as perseguições) coroando finalmente o seu laborioso episcopado com um martírio luminoso. Neste dia (14 de outubro) se comemora a deposição de seu corpo no cemitério de Calepodius, em Roma, na via Aurélia”.

Vous voulez découvrir d’autres histoires de saints ? Cliquez ici

Oração da manhã

Ao Senhor pertence a terra e tudo o que ela encerra:
Adoremos o Senhor!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
No céu refulge a aurora
e nasce um novo dia.
As trevas se dissipem:
a luz nos alumia.

Bem longe os fantasmas,
os sonhos e ilusões!
Do mal que vem das trevas
quebremos os grilhões.

Na aurora derradeira
possamos, preparados,
cantar de Deus a glória,
na sua luz banhados.

Louvor e glória ao Pai,
ao Filho seu também,
e ao Divino Espírito
agora e sempre. Amém.
Cântico Sb 9,1-6.9-11

Eu vos darei palavras tão acertadas que nenhum dos inimigos vos poderá resistir (Lc 21,15).

Deus de meus pais, Senhor bondoso e compassivo,
vossa Palavra poderosa criou tudo,
vosso saber o ser humano modelou
para ser rei da criação que é vossa obra,
reger o mundo com justiça, paz e ordem,
e exercer com retidão seu julgamento:

Dai-me vossa sabedoria, ó Senhor,
sabedoria que partilha o vosso trono.
Não me excluais de vossos filhos como indigno:
sou vosso servo e minha mãe é vossa serva;

sou homem fraco e de existência muito breve,
incapaz de discernir o que é justo.
Até mesmo o mais perfeito dentre os homens
não é nada, se não tem vosso saber.

Mas junto a vós, Senhor, está a sabedoria.
que conhece as vossas obras desde sempre;
convosco estava ao criardes o universo,
ela sabe o que agrada a vossos olhos,
o que é reto e conforme às vossas ordens.

Enviai-a lá de cima, do alto céu,
mandai-a vir de vosso trono glorioso,
para que esteja junto a mim no meu trabalho
e me ensine o que agrada a vossos olhos!
Ela, que tudo compreende e tudo sabe,
há de guiar meus passos todos com prudência,
com seu poder há de guardar a minha vida.

Glória ao Pai...

Leitura breve Fl 2,14-15

Fazei tudo sem reclamar ou murmurar, para que sejais livres de repreensão e ambiguidade, filhos de Deus sem defeito, no meio desta geração depravada e pervertida, na qual brilhais como os astros no universo.

A vós grito, ó Senhor, a vós clamo e vos digo: sois vós meu abrigo!
Minha herança na terra dos vivos.

BENEDICTUS
Iluminai, ó Senhor, os que jazem nas trevas
e na sombra da morte.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Invoquemos a Deus, que elevou a Virgem Maria, Mãe de Cristo, acima de todas as criaturas do céu e da terra; e digamos cheios de confiança:

R. Interceda por nós a Mãe do vosso Filho.

Pai de misericórdia, nós vos damos graças porque nos destes Maria como mãe e exemplo:
– por sua intercessão, santificai os nossos corações. R.

Vós, que fizestes de Maria a serva fiel e atenta à vossa Palavra,
– por sua intercessão, fazei de nós servos e discípulos de vosso Filho. R.

Vós, que fizestes de Maria a Mãe do vosso Filho por obra do Espírito Santo,
– por sua intercessão, concedei-nos os frutos do mesmo Espírito. R.

Vós, que destes força a Maria para permanecer junto da cruz, e a enchestes de alegria com a ressurreição de vosso Filho,
– por sua intercessão, confortai-nos nas tribulações e reavivai a nossa esperança. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Senhor nosso Deus, fonte de salvação, fazei que o testemunho de nossa vida exalte sempre a vossa glória e mereçamos cantar nos céus vosso louvor eternamente. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditação do dia

Feliz o ventre que te trouxe. Muito mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus.

Todo homem aparece como o destinatário da Palavra, interpelado e chamado a entrar, por uma resposta livre, em tal diálogo de amor. Assim Deus torna cada um de nós capaz de escutar e responder à Palavra divina. O homem é criado na Palavra e vive nela; e não pode compreender a si mesmo, se não se abre a este diálogo. A Palavra de Deus revela a natureza filial e relacional da nossa vida. Por graça, somos verdadeiramente chamados a configurar-nos com Cristo, o Filho do Pai, e a ser transformados nele. Neste diálogo com Deus, compreendemo-nos a nós mesmos e encontramos resposta para as perguntas mais profundas que habitam no nosso coração. De fato, a Palavra de Deus não se contrapõe ao homem, nem mortifica os seus anseios verdadeiros; pelo contrário, ilumina-os, purifica-os e realiza-os. Como é importante, para o nosso tempo, descobrir que só Deus responde à sede que está no coração de cada homem! Infelizmente na nossa época, sobretudo no Ocidente, difundiu-se a ideia de que Deus é alheio à vida e aos problemas do homem; pior ainda, de que a sua presença pode até ser uma ameaça à autonomia humana. Na realidade, toda a economia da salvação mostra-nos que Deus fala e intervém na história a favor do homem e da sua salvação integral. Por conseguinte, é decisivo do ponto de vista pastoral, apresentar a Palavra de Deus na sua capacidade de dialogar com os problemas que o homem deve enfrentar na vida diária. Jesus apresenta-se a nós precisamente como Aquele que veio para que pudéssemos ter a vida em abundância (cf. Jo 10, 10). Por isso, devemos fazer todo o esforço para mostrar a Palavra de Deus precisamente como abertura aos próprios problemas, como resposta às próprias perguntas, uma dilatação dos próprios valores e, conjuntamente, uma satisfação das próprias aspirações. A pastoral da Igreja deve ilustrar claramente como Deus ouve a necessidade do homem e o seu apelo.
Papa Bento XVI
Exortação pós-Sinodal Verbum Domini, nn. 23-24 (2010)

Oração da tarde

Como agradecerei ao Senhor por todo o bem que me fez?
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Ó Deus, fonte de todas as coisas,
vós enchestes o mundo de dons
e, depois de criar o universo,
concluístes que tudo era bom.

Terminando tão grande trabalho,
decidistes entrar em repouso,
ensinando aos que cansam na luta,
que o descanso é também dom precioso.

Concedei aos mortais que suplicam,
os seus erros lavarem no pranto
e andarem nos vossos caminhos,
descobrindo da vida o encanto.

Deste modo, ao chegar para a terra
a aflição do temível Juiz,
possam todos, repletos de paz,
se alegrar pela vida feliz.

Esse dom concedei-nos, Deus Pai,
pelo Filho Jesus, Sumo Bem,
no Espírito Santo Paráclito,
que reinais para sempre. Amém.
Salmo 129(130)

Ele vai salvar o seu povo dos seus pecados (Mt 1,21).

Das profundezas eu clamo a vós, Senhor,
escutai a minha voz!
Vossos ouvidos estejam bem atentos
ao clamor da minha prece!

Se levardes em conta nossas faltas,
quem haverá de subsistir?
Mas em vós se encontra o perdão,
eu vos temo e em vós espero.

No Senhor ponho a minha esperança,
espero em sua palavra.
A minh'alma espera no Senhor
mais que o vigia pela aurora.

Espere Israel pelo Senhor
mais que o vigia pela aurora!
Pois no Senhor se encontra toda graça
e copiosa redenção.

Ele vem libertar a Israel
de toda a sua culpa.

Glória ao Pai...

Leitura 2Pd 1,19-21

Assim se nos tornou ainda mais firme a palavra da profecia, que fazeis bem em ter diante dos olhos, como lâmpada que brilha em lugar escuro, até clarear o dia e levantar-se a estrela da manhã em vossos corações. Pois deveis saber, antes de tudo, que nenhuma profecia da Escritura é objeto de interpretação pessoal, visto que jamais uma profecia foi proferida por vontade humana. Mas foi sob o impulso do Espírito Santo que homens falaram da parte de Deus.

Do nascer do sol até o seu ocaso, louvado seja o nome do Senhor!
Sua glória vai além dos altos céus.

MAGNIFICAT
O Reino dos Céus pode ser comparado a um rei que celebra as bodas do filho
e envia os seus servos a chamar os convivas.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Invoquemos a Jesus Cristo, alegria de todos os que nele esperam; e digamos:

R. Ouvi-nos, Senhor, e atendei-nos!

Testemunha fiel e primogênito dentre os mortos, que nos purificastes do pecado com o vosso sangue,
– fazei-nos sempre lembrar as vossas maravilhas. R.

Aqueles que escolhestes como mensageiros do vosso evangelho,
– tornai-os fiéis e zelosos administradores dos mistérios do reino. R.

Rei da paz, mandai o vosso Espírito sobre aqueles que governam os povos,
– a fim de que olhem com mais atenção para os pobres e necessitados. R.

Socorrei os que são vítimas da discriminação por causa da raça, cor, condição, língua ou religião,
– e fazei que sejam reconhecidos os seus direitos e a sua dignidade. R.

(Intenções livres)

Aos que morreram em vosso amor, tornai participantes da felicidade eterna,
– juntamente com a Virgem Maria e todos os santos. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo S. Lucas 11,27-28.
Naquele tempo, enquanto Jesus falava à multidão, uma mulher levantou a voz no meio da multidão e disse: «Feliz Aquela que Te trouxe no seu ventre e Te amamentou ao seu peito».
Mas Jesus respondeu: «Mais felizes são os que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática».

Newsletter
Recevez Aleteia chaque jour. Abonnez-vous gratuitement