Aleteia
La fête du jour

Quinta-feira, 8 de junho
Santo Efrém, o Sírio

Diácono e Doutor da Igreja († 373)

Santo Efrém nasceu em Nísibe, na atual Turquia por volta do ano 306. Seu pai conservou-se pagão e perseguiu duramente seu filho, Efrém, por este ter abraçado o cristianismo. Pelos maus tratos do pai, o jovem Efrem fugiu de casa e se refugiou junto ao seu Bispo Tiago de Nísibe que se dedicou à formação do jovem, ordenando-o diácono. Apesar da insistência do bispo, Santo Efrém nunca se sentiu digno em entrar na ordem presbiteral, permanecendo diácono. Por causa de sua inteligência e ótima preparação, Efrém fundou uma escola que se distinguiu pela ótima preparação e pela boa conduta de seus alunos. Infelizmente, uma invasão dos sassânidas forçou Efrém a abandonar a escola e a se refugiar em Edessa, onde continuou suas atividades como professor. Foi um grande escritor e nos legou várias obras no campo da teologia e dos comentários bíblicos. Outro campo em que se destacou foi o da composição poética e musical – os hinos apresentados aqui hoje são de sua composição. Atualmente é ainda considerado um dos maiores poetas na língua síria. Após uma vida de austeridade e de dedicação aos estudos e aos pobres, Santo Efrém faleceu no ano de 373, vítima de peste, contraída por ocasião de seu cuidado para com os doentes.  

Vous voulez découvrir d’autres histoires de saints ? Cliquez ici

Oração da manhã

Deus é o provedor de todos os bens. Vinde e adoremos!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino

Foi fechado
com a espada do querubim,
o caminho da árvore da vida.
Mas para os povos,
o Senhor dessa árvore
deu-se como alimento
Ele mesmo na oblação (eucarística).
As árvores do Éden
foram dadas como alimento
à primazia de Adão.
Para nós, o jardineiro do Jardim em pessoa
fez-se alimento
para as nossas almas.
De fato, todos tínhamos saído,
do Paraíso juntamente com Adão,
que o deixara para trás.
Agora que a espada foi tirada
lá (na cruz) pela lança
nós podemos ali voltar.

Cântico Jr 31,10-14

Jesus iria morrer... para reunir os filhos de Deus dispersos (Jo 11,51.52).

– Ouvi, nações, a palavra do Senhor
e anunciai-a nas ilhas mais distantes:
– ‘Quem dispersou Israel, vai congregá-lo,
e o guardará qual pastor a seu rebanho!’

– Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó
e o libertou do poder do prepotente.
= Voltarão para o monte de Sião,
entre brados e cantos de alegria
afluirão para as bênçãos do Senhor:

– para o trigo, o vinho novo e o azeite;
para o gado, os cordeirinhos e as ovelhas.
– Terão a alma qual jardim bem irrigado,
e sede e fome nunca mais hão de sofrer.

– Então a virgem dançará alegremente,
também o jovem e o velho exultarão;
– mudarei em alegria o seu luto,
serei consolo e conforto após a pena.
– Saciarei os sacerdotes de delícias,
e meu povo há de fartar-se de meus bens!

Glória ao Pai...

Leitura breve Is 66, 1-2
Isto diz o Senhor: O céu é o meu trono e a terra é o apoio de meus pés. Que casa é esta que edificareis para mim, e que lugar é este para meu descanso? Tudo isso foi minha mão que fez, tudo isso é meu, diz o Senhor. Mas eu olho para este, para o pobrezinho de alma abatida, que treme ao ouvir a minha palavra.

Clamo de todo coração, atendei-me, ó Senhor!

BENEDICTUS

Sirvamos ao Senhor em justiça e santidade, e de nossos inimigos haverá de nos salvar..

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Demos graças a Cristo, que nos concede a luz deste novo dia; e lhe peçamos:

R. Senhor, abençoai-nos e santificai-nos!

Senhor, que vos entregastes como vítima pelos nossos pecados,
– aceitai os trabalhos que já começamos e os nossos planos de ação para hoje. R.

Senhor, que nos alegrais nossos olhos com a luz deste novo dia,
– sede vós mesmo a luz dos nossos corações. R.

Tornai-nos generosos para com todos,
– para sermos imagens fiéis da vossa bondade. R.

Fazei-nos desde a manhã sentir o vosso amor,
– para que a vossa alegria seja hoje a nossa força. R.
(Intenções livres)
Pai nosso ...

Oração
Infundi, ó Deus, em nossos corações o Espírito Santo que inspirava ao diácono Efrém cantar os vossos mistérios e consagrar-se inteiramente ao vosso serviço. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditação do dia

Amar a Deus e ao próximo
Com efeito, o mandamento do amor só pode colocá-lo em prática plenamente quem vive em uma relação profunda com Deus: como a criança, que se torna capaz de amar a partir de uma boa relação com a mãe o pai. São João d’Ávila, que há pouco tempo proclamei Doutor da Igreja, assim escreve no início de seu Tratado do amor de Deus: “A causa – diz ele – que majoritariamente leva o nosso coração para o amor a Deus, é a consideração profunda sobre o amor que ele teve por nós... Isto, mais do que os benefícios, leva o coração a amar; pois aquele que concede ao outro um benefício, lhe dá algo que possui; mas aquele que ama, concede a si próprio com tudo aquilo que há, sem que lhe sobre algo mais para dar”. Antes ainda de ser um mandamento – o amor não é uma ordem – é um dom, uma realidade que Deus nos dá a conhecer e experimentar, de modo que, assim como uma semente, ele possa brotar também dentro de nós e crescer em nossa vida. Se o amor de Deus se enraizou profundamente numa pessoa, ela será capaz de amar até mesmo quem não merece, como justamente Deus faz conosco. O pai e a mãe não amam os filhos somente quando eles merecem: os amam sempre, ainda que, naturalmente, lhes façam compreender quando erram. De Deus, nós aprendemos a desejar sempre e apenas o bem, e nunca o mal. Aprendamos a olhar o outro não somente com nossos olhos, mas com o olhar de Deus, que é o olhar de Jesus Cristo. Um olhar que parte do coração e não para apenas na superfície, vai para além das aparências e consegue colher as expectativas profundas do outro: expectativas de ser escutado, de receber um cuidado gratuito; numa palavra: de amor. Mas também o percurso contrário pode ser percebido: abrindo-me ao outro tal qual é, indo ao seu encontro, tornando-me disponível, eu me abro também para o conhecimento de Deus, a perceber que ele existe e que é bom. Amor a Deus e amor ao próximo são inseparáveis e estão numa relação recíproca. Jesus não inventou nem um e nem o outro, mas revelou que eles são, no fundo, um único mandamento, e o fez não somente com a palavra, mas sobretudo com o seu testemunho: a própria Pessoa de Jesus e todo o seu mistério encarnam a unidade do amor de Deus e do próximo, como os dois braços da Cruz, vertical e horizontal. Na Eucaristia ele nos doa este duplo amor, doando-nos a si próprio, para que, nutridos desse Pão nos amemos uns aos outros como ele nos amou.

Bento XVI, Angelus, Vaticano - Praça de São Pedro, 04.11.2012
Papa emérito (2005-2013).

Oração da tarde

 

Evangelho segundo S. Marcos 12,28b-34.
Naquele tempo, aproximou-se de Jesus um escriba e perguntou-Lhe: «Qual é o primeiro de todos os mandamentos?».
Jesus respondeu: «O primeiro é este: ‘Escuta, Israel: O Senhor nosso Deus é o único Senhor.
Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças’.
O segundo é este: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’. Não há nenhum mandamento maior que estes».
Disse-Lhe o escriba: «Muito bem, Mestre! Tens razão quando dizes: Deus é único e não há outro além d’Ele.
Amá-l’O com todo o coração, com toda a inteligência e com todas as forças, e amar o próximo como a si mesmo, vale mais do que todos os holocaustos e sacrifícios».
Ao ver que o escriba dera uma resposta inteligente, Jesus disse-lhe: «Não estás longe do reino de Deus». E ninguém mais se atrevia a interrogá-l’O.

Newsletter
Recevez Aleteia chaque jour. Abonnez-vous gratuitement