Aleteia
La fête du jour

Domingo, 13 de agosto
S√£o Ponciano

Papa e mártir (†235)

S√£o Ponciano, 18¬ļ papa da Igreja cat√≥lica come√ßou seu pontificado no ano 230. Durante a persegui√ß√£o contra os crist√£os do imperador Maximino, o tr√°cio (235-238), Ponciano foi condenado √† deporta√ß√£o na ilha da Sardenha para cumprir a pena ‚Äúad Metalla‚ÄĚ, isto √©, aos trabalhos for√ßados na extra√ß√£o de metais das minas do imp√©rio romano. Papa Ponciano n√£o foi o √ļnico, com ele foi condenado o presb√≠tero Hip√≥lito, talvez o primeiro antipapa da igreja romana: Santo Hip√≥lito, ao que parece, teria entrado em lit√≠gio com S√£o Ponciano, mas no ex√≠lio teria havido a reconcilia√ß√£o entre ambos; sucessivamente, ambos conheceram o mart√≠rio, provavelmente ocasionado pela exaust√£o e pela flagela√ß√£o que comumente ocorria aos prisioneiros durante os trabalhos for√ßados. Outro fato interessante em torno da figura de papa Ponciano √© a abdica√ß√£o: diante da perspectiva de um ex√≠lio em que a morte era dada como certa, Ponciano teria abdicado voluntariamente do pontificado, no dia 28 de setembro de 235, tendo sido o primeiro papa a faz√™-lo. Dessa forma S√£o Ponciano humildemente garantia que a igreja de Roma pudesse eleger outro papa para gui√°-la. Uma fonte antiga menciona que no dia 13 de agosto, os corpos de Ponciano e Hip√≥lito teriam sido sepultados na cidade de Roma: S√£o Ponciano no cemit√©rio de S√£o Calisto e Santo Hip√≥lito no cemit√©rio da via Tiburtina. Em 1909, os arque√≥logos encontraram o epit√°fio do t√ļmulo de Ponciano, com a seguinte inscri√ß√£o: ‚ÄúPontianos episk[opos] m[a]rt[ys]‚ÄĚ

Vous voulez découvrir d’autres histoires de saints ? Cliquez ici

Vinde, exultemos de alegria no Senhor,

aclamemos o Rochedo que nos salva!

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,

como era no princípio, agora e sempre.

Amém

 

Hino

√ď Criador do universo,

a sombra e a luz alternais,

e, dando tempos ao tempo,

dos seres todos cuidais.

 

Qual pregoeiro do dia,

canta nas noites o galo.

Separa a noite e a noite,

brilhando a luz no intervalo.

 

Também por ele acordada,

a estrela d'alva, brilhante,

expulsa o erro e a treva

com sua luz radiante.

 

Seu canto os mares acalma,

ao navegante avigora;

a própria Pedra da Igreja

ouvindo o c√Ęntico chora.

 

Jesus, olhai os que tombam.

O vosso olhar nos redime:

se nos olhais, nos erguemos,

e prantos lavam o crime.

 

√ď luz divina, brilhai,

tirai do sono o torpor.

O nosso alento primeiro

entoe o vosso louvor.

 

√ď Cristo, Rei piedoso,

a vós e ao Pai, Sumo Bem,

glória e poder, na unidade

do Espírito Santo. Amém.

 

Salmo ............................................148

 

Ao que está sentado no trono e ao Cordeiro, o louvor e a honra, a glória e o poder para sempre (Ap 5,13).

 

Louvai o Senhor Deus nos altos céus,

louvai-o no excelso firmamento!

Louvai-o, anjos seus, todos louvai-o,

louvai-o, legi√Ķes celestiais!

 

Louvai-o, sol e lua, e bendizei-o,

louvai-o, vós estrelas reluzentes!

Louvai-o, céus dos céus, e bendizei-o,

e vós, águas que estais por sobre os céus.

 

Louvem todos e bendigam o seu nome,

porque mandou e logo tudo foi criado.

Instituiu todas as coisas para sempre,

e deu a tudo uma lei que é imutável.

 

Louvai o Senhor Deus por toda a terra,

grandes peixes e abismos mais profundos;

fogo e granizo, e vós, neves e neblinas,

furac√Ķes que executais as suas ordens.

 

Montes todos e colinas, bendizei-o,

cedros todos e vós, árvores frutíferas;

feras do mato e vós, mansos animais,

todos os répteis e os pássaros que voam.

 

Reis da terra, povos todos, bendizei-o,

e vós, príncipes e todos os juízes;

e vós, jovens, e vós, moças e rapazes,

anci√£os e criancinhas, bendizei-o!

 

Louvem o nome do Senhor, louvem-no todos,

porque somente o seu nome é excelso!

A majestade e esplendor de sua glória

ultrapassam em grandeza o céu e a terra.

 

Ele exaltou seu povo eleito em poderio

ele é o motivo de louvor para os seus santos.

√Č um hino para os filhos de Israel,

este povo que ele ama e lhe pertence.

 

Glória ao Pai...

 

Leitura breve                         Ez 37,12b-14

 

Assim fala o Senhor Deus: √ď meu povo, vou abrir as vossas sepulturas e conduzir-vos para a terra de Israel; e quando eu abrir as vossas sepulturas e vos fizer sair delas, sabereis que eu sou o Senhor. Porei em v√≥s o meu esp√≠rito para que vivais e vos colocarei em vossa terra. Ent√£o sabereis que eu, o Senhor, digo e fa√ßo ‚Äď or√°culo do Senhor.

 

Cristo, Filho do Deus vivo, Tende pena e compaix√£o!

Glorioso estais sentado, à direita de Deus Pai.

 

BENEDICTUS

Jesus disse aos discípulos que estavam apavorados:

Coragem, confiai! Sou eu, n√£o tenhais medo!

 

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

 
e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos, 


para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam. 

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança 

e o juramento a Abra√£o, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo, 


a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino, 
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos, 


anunciando ao seu povo a salvação,
que est√° na remiss√£o de seus pecados;

pela bondade e compaix√£o de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,


para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados 


e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz. 

Glória ao Pai...

 

Preces

Roguemos a Deus que enviou o Espírito Santo para ser Luz santíssima do coração de todos os fiéis; e digamos:

 

  1. Iluminai, Senhor, o vosso povo!

 

Bendito sejais, Senhor Deus, nossa luz,

‚Äď que para vossa gl√≥ria nos fizestes chegar a este novo dia. R.

 

Vós, que iluminastes o mundo com a ressurreição do vosso Filho,

‚Äď fazei brilhar, pelo minist√©rio da Igreja, esta luz pascal sobre a humanidade inteira. R.

 

Vós, que, pelo Espírito da verdade, esclarecestes os discípulos de vosso Filho,

‚Äď enviai √† vossa Igreja este mesmo Esp√≠rito, para que ela permane√ßa sempre fiel √† vossa mensagem. R.

 

Luz dos povos, lembrai-vos daqueles que ainda vivem nas trevas,

‚Äď e abri-lhes os olhos do cora√ß√£o para que vos reconhe√ßam como √ļnico Deus verdadeiro. R.

(Inten√ß√Ķes livres)

 

Pai nosso ...

 

Oração

Deus eterno e todo-poderoso, a quem ousamos chamar de Pai, dai-nos cada vez mais um coração de filhos, para alcançarmos um dia a herança prometida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Entrai na barca e ide para a outra margem...

 

Jesus obrigou os disc√≠pulos a subir na barca e a esper√°-lo na outra margem enquanto despedia a multid√£o. A multid√£o n√£o podia ir at√© a outra margem; n√£o eram judeus no sentido espiritual da palavra, que se traduz como: ‚Äúa gente da outra margem‚ÄĚ. Esta obra foi reservada para os disc√≠pulos de Jesus: ir para a outra margem, ultrapassar o vis√≠vel e corporal, as realidades temporais, e chegar, como primeiros, at√© o invis√≠vel e eterno. E, sem d√ļvida, os disc√≠pulos n√£o puderam preceder a Jesus na outra margem; possivelmente queria faz√™-los passar pela experi√™ncia de que sem ele n√£o era poss√≠vel chegar at√© ali; que barca √© essa que Jesus obriga os disc√≠pulos subirem? N√£o seria a da luta contra as tenta√ß√Ķes e as circunst√Ęncias dif√≠ceis? Logo subiu √† montanha, em um lugar a parte para rezar. Por quem reza? Provavelmente pela multid√£o, para que, depois de terem comido os p√£es aben√ßoados, n√£o fa√ßam nada contr√°rio a essa chamada de Jesus. Rezava tamb√©m pelos disc√≠pulos, para que n√£o lhes ocorresse nada de mau no mar por causa das ondas e do vento forte. Os disc√≠pulos, gra√ßas a ora√ß√£o que Jesus fez a seu Pai, n√£o sofreram um dano sequer, enquanto o mar, as ondas e o vento se abatiam contra eles. Se um dia n√≥s tivermos que enfrentar tenta√ß√Ķes inevit√°veis, lembremo-nos que Jesus nos obrigou embarcar; n√£o √© poss√≠vel alcan√ßar a outra margem sem passar pela prova das ondas e do vento forte.

 

Orígenes

Asceta e teólogo (185?-253).

Chegue nossa oração até a vossa face!

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,

como era no princípio, agora e sempre.

Amém.

 

Hino

Criador generoso da luz,

que criastes a luz para o dia,

com os raios primeiros da luz,

sua origem o mundo inicia.

 

Vós chamastes de 'dia' o decurso

da manh√£ luminosa ao poente.

Eis que as trevas já descem à terra:

escutai nossa prece, clemente.

 

Para que sob o peso dos crimes

nossa mente n√£o fique oprimida,

e, esquecendo as coisas eternas,

não se exclua do prêmio da vida.

 

Sempre à porta celeste batendo,

alcancemos o prêmio da vida,

evitemos do mal o cont√°gio

e curemos da culpa a ferida.

 

Escutai-nos, ó Pai piedoso,

com o √ļnico Filho tamb√©m,

que reinais com o Espírito Santo

pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Salmo          ............................... 110 (111)

 

Grandes e maravilhosas s√£o as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso! (Ap 15,3).

 

Eu agradeço a Deus de todo o coração

junto com todos os seus justos reunidos!

Que grandiosas s√£o as obras do Senhor,

elas merecem todo o amor e admiração!

 

Que beleza e esplendor s√£o os seus feitos!

Sua justiça permanece eternamente!

O Senhor bom e clemente nos deixou

a lembrança de suas grandes maravilhas.

 

Ele d√° o alimento aos que o temem

e jamais esquecerá sua Aliança.

Ao seu povo manifesta seu poder,

dando a ele a heran√ßa das na√ß√Ķes. ‚Äď

 

Suas obras são verdade e são justiça,

seus preceitos, todos eles, s√£o est√°veis,

confirmados para sempre e pelos séculos,

realizados na verdade e retid√£o.

 

Enviou libertação para o seu povo,

confirmou sua Aliança para sempre.

Seu nome é santo e é digno de respeito.

 

Temer a Deus é o princípio do saber,

e é sábio todo aquele que o pratica.

Permaneça eternamente o seu louvor.

 

Glória ao Pai...

 

Leitura                                                                                                           1Pd 1,3-5

Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Em sua grande miseric√≥rdia, pela ressurrei√ß√£o de Jesus Cristo dentre os mortos, ele nos fez nascer de novo, para uma esperan√ßa viva, para uma heran√ßa incorrupt√≠vel, que n√£o estraga, que n√£o se mancha nem murcha, e que √© reservada para v√≥s nos c√©us. Gra√ßas √† f√©, e pelo poder de Deus, v√≥s fostes guardados para a salva√ß√£o que deve manifestar-se nos √ļltimos tempos.

 

√ď Senhor, v√≥s sois bendito no celeste firmamento.

Vós sois digno de louvor e de glória eternamente.

 

MAGNIFICAT

Senhor, mandai-me ao vosso encontro,

Caminhando sobre as √°guas.

Estendeu Jesus a m√£o, segurou Pedro e lhe disse:

√ď homem de f√© fraca, por que tu duvidaste?

 

A minha alma engrandece ao Senhor

e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;

pois ele viu a pequenez de sua serva,

desde agora as gera√ß√Ķes h√£o de chamar-me de bendita.¬†

O Poderoso fez por mim maravilhas

e Santo é o seu nome! 
Seu amor, de geração em geração,

chega a todos que o respeitam; 

demonstrou o poder de seu braço,

dispersou os orgulhosos;

derrubou os poderosos de seus tronos

e os humildes exaltou;

 

De bens saciou os famintos,

e despediu, sem nada, os ricos.

Acolheu Israel, seu servidor,

fiel ao seu amor,

 

como havia prometido aos nossos pais,

em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre. 


Glória ao Pai...

 

Preces

Com alegria, invoquemos a Deus Pai que, tendo no princípio criado o mundo, recriou-o pela redenção e não cessa de renová-lo por seu amor; e digamos:

 

  1. Renovai, Senhor, as maravilhas do vosso amor!

 

Nós vos damos graças, Senhor Deus, porque revelais o vosso poder na criação inteira,

‚Äď e manifestais a vossa provid√™ncia nos acontecimentos da hist√≥ria. R.

 

Por vosso Filho, que no triunfo da cruz anunciou a paz ao mundo,

‚Äď livrai-nos do desespero e do v√£o temor. R.

 

A todos os que amam a justiça e por ela trabalham,

‚Äď ajudai-os a colaborar com sinceridade na constru√ß√£o de uma sociedade renovada na verdadeira conc√≥rdia. R.

 

Socorrei os oprimidos, libertai os prisioneiros, consolai os aflitos, dai p√£o aos famintos, fortalecei os fracos,

‚Äď para que em todos eles se manifeste a vit√≥ria da cruz. R.

 

(Inten√ß√Ķes livres)

 

Vós, que ressuscitastes gloriosamente vosso Filho depois de morto e sepultado,

‚Äď concedei aos que morreram entrar juntamente com ele na vida eterna. R.

 

Pai nosso...

 

ANT√ćFONA MARIANA

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.

A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.

Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.

Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

 

SEJAM SANTOS!

Na escola da santidade.

Evangelho segundo S. Mateus 14,22-33. 
Depois de ter saciado a fome à multidão, Jesus obrigou os discípulos a subir para o barco e a esperá-l’O na outra margem, enquanto Ele despedia a multidão.
Logo que a despediu, subiu a um monte, para orar a sós. Ao cair da tarde, estava ali sozinho.
O barco ia já no meio do mar, açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário.
Na quarta vigília da noite, Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar.
Os discípulos, vendo-O a caminhar sobre o mar, assustaram-se, pensando que fosse um fantasma. E gritaram cheios de medo.
Mas logo Jesus lhes dirigiu a palavra, dizendo: ¬ęTende confian√ßa. Sou Eu. N√£o temais¬Ľ.
Respondeu-Lhe Pedro: ¬ęSe √©s Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as √°guas¬Ľ.
¬ęVem!¬Ľ ‚Äď disse Jesus. Ent√£o, Pedro desceu do barco e caminhou sobre as √°guas, para ir ter com Jesus.
Mas, sentindo a viol√™ncia do vento e come√ßando a afundar-se, gritou: ¬ęSalva-me, Senhor!¬Ľ.
Jesus estendeu-lhe logo a m√£o e segurou-o. Depois disse-lhe: ¬ęHomem de pouca f√©, porque duvidaste?¬Ľ.
Logo que subiram para o barco, o vento amainou.
Ent√£o, os que estavam no barco prostraram-se diante de Jesus, e disseram-Lhe: ¬ęTu √©s verdadeiramente o Filho de Deus¬Ľ.

Newsletter
Recevez Aleteia chaque jour. Abonnez-vous gratuitement